Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.21 14.49.59.76 - Call Of Duty Black Ops Cold War
Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.21 14.49.59.76 526x526 - Call Of Duty Black Ops Cold War

Call Of Duty Black Ops Cold War

A análise detalhada ao modo multiplayer para PC desde o lançamento do jogo até à temporada 1

Call Of Duty Black Ops Cold War já tem mais de um mês no mercado. Eu sei. Muitos alegados entendidos em videojogos já disseram coisas sobre o Black Ops Cold War. Agora sim é o momento do Player1Paulo fazer a sua análise ao jogo que uma vez mais faz questão de existir para dar motivo de conversa a “criadores de conteúdo”. Felizmente não sou assim, nem contribuo para isso.

Call Of Duty Black Ops Cold War

Criadores esses que estão desejosos de tudo de bom, e de tudo de mau, que o jogo possa ter para estar a falar, por falar, todos os dias sobre isso no seu “conteúdo” devidamente monetizado. Sim, porque dizer mal por dizer mal é uma arte. E um negócio, para alguns, extremamente lucrativo. Mas não é para isso que serve esta análise ao Black Ops Cold War.

O Call Of Duty Black Ops Cold War é, para iniciar as hostilidades, aquilo que parece ser o maior reaproveitamento e reciclagem de conteúdo que eu, Player1Paulo, vi num jogo. Não quero com isto dizer que é necessariamente algo negativo. Irei explicar isto em detalhe para não existirem dúvidas quanto ao que quero dizer.

A Activision não brinca em serviço. Uma pandemia a nível global não é motivo suficiente para parar a actividade desta empresa. Quer que os muitos milhares de milhões de Dólares continuem a entrar. E eles entram e não se vê fim à vista desta capacidade dominante no mercado mundial.

E foi missão da Treyarch lançar o sucessor de Call Of Duty Modern Warfare, que esteve a cargo da Infinity Ward com a ajuda da BeenoxRaven Software. A Beenox tratou das especificidades da versão PC e a Raven Software ficou encarregue do que é agora o Call Of Duty Warzone.

O Black Ops Cold War parece ser, pelo menos para mim, Player1Paulo, uma mistura de vários elementos daquilo que era para ser um novo jogo Call Of Duty, mas acabou por ser deixado de lado e houve a necessidade – por motivos de tempo – de aproveitar o máximo de assets disponíveis.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.15 14.25.07.12 - Call Of Duty Black Ops Cold War

O Que Salva À Vista No Desenvolvimento Do Jogo

Como sabem – ou deviam saber – tempo é dinheiro. Eu digo isso com regularidade. Porque as pessoas tendem a dar valor, ou atribuir valor, ao dinheiro. Mas o tempo é tão ou mais valioso que qualquer forma de dinheiro. E no desenvolvimento de um jogo desta envergadura, como são todos os Call Of Duty, o tempo é ainda mais valioso.

Todos os anos há um novo título Call Of Duty a ser lançado. Por isso o tempo disponível para o desenvolvimento do mesmo é curto e requer o acesso a um conjunto de ferramentas e recursos que seja facilmente partilhado entre os diferentes estúdios. Nisso os jogos Call Of Duty estão a tornar-se algo de marcante da industria.

Independentemente de outros factores que podem – e nalguns casos devem – ser criticados. Há mesmo necessidade, pelo menos a monetária, de lançar um novo jogo Call Of Duty todos os anos? Eu, Player1Paulo, sou da opinião que um novo jogo a cada dois anos serviria perfeitamente para manter o fluxo de dinheiro e os milhões de fãs a nível mundial satisfeitos.

Eu, Player1Paulo, gosto de chafurdar nos aspectos técnicos de qualquer vídeojogo que tenha o meu especial interesse. O Black Ops Cold War não é excepção. E tenham em conta que esta análise tem por base, apenas e só, a versão PC. Por isso há coisas que escritas, e descritas, que não se aplicam às versões presentes nas consolas e às suas especificidades.

Ao ter jogado a Beta em acesso antecipado para PC – porque gastei os €60 antecipadamente – fiquei com uma noção clara do jogo que estava para sair. O Black Ops Cold War não nasceu como tal. Sofreu uma mutação para tal durante um qualquer processo conturbado de desenvolvimento. Parte de Black Ops Cold War que temos aqui não o era, mas passou a ser. Confusos? Eu esclareço.

shot 0047 - Call Of Duty Black Ops Cold War

Reaproveitar E Reciclar Foi Preciso

Do meu ponto de vista, Player1Paulo, este jogo começou a ser trabalhado pela Sledgehammer Games. Não era para ser um Black Ops. Era para ser Call Of Duty “qualquer-outra-coisa”. Mas por alguns motivos de força maior o estúdio parou ou foi forçado a parar o desenvolvimento. E a Activision como não ia ficar um ano sem lançar um novo jogo Call Of Duty encarregou a Treyarch de trazer à vida essa realidade. Independentemente de todos os constrangimentos.

Obviamente que o conteúdo criado pela Sledgehammer Games não foi deitado fora. Porque é que digo isto? Simples. A Activision é a proprietária da marca e conteúdo Call Of Duty. Os estúdios que conhecemos como os criadores dos jogos são pagos para o fazer. Não são proprietários desse mesmo conteúdo. Fazem o que a Activision manda fazer e como mandar fazer. Aqui foi dada ordem para a Sledgehammer Games passar o que tinha para este jogo para as mãos da Treyarch.

Isto não foi complicado nem problema para a Treyarch porque todos os estúdios têm motores gráficos e tecnologia para conseguirem integrar e partilhar conteúdo criado. Assim o processo de desenvolvimento, expansão e aproveitamento de conteúdo entre diferentes estúdios é muito mais simples. O Black Ops Cold War não tem o motor gráfico do Call Of Duty Modern Warfare. Isso salta logo à vista. Mas os gráficos são maus? Não. Pelo menos para mim, Player1Paulo, estão vários furos acima da fidelidade visual com que fomos presenteados no Black Ops 4.

Se repararem, no Black Ops 4 tivemos um Call Of Duty com reaproveitamento do que era o motor gráfico do Black Ops III, com umas afinações aqui e ali, mas não mais do que isso. Já no Black Ops Cold War, se tivesse de apostar, é nada mais nada menos do que o motor gráfico do Infinite Warfare – porque a fidelidade visual é a mesma desse jogo – mas com os melhoramentos graças à aplicação de novas tecnologias entretanto disponíveis. Como é o caso flagrante do DirectX 12, efeitos visuais mais detalhados, diminuição de latência e implementação de renderização por ray-tracing.

Mas isso é um aproveitamento assim tão grande? Claro. Ainda para mais com os mapas e mecânica de jogo que a Sledgehammer Games começou a criar para aquilo que seria o seu Call Of Duty. Os mapas Satellite, Garrison e Armada, para mim, Player1Paulo, tresandam ao estilo da Sledgehammer Games. E nada contra. Nada mesmo. Basicamente foi trabalho que serviu de adiantamento para a Treyarch focar-se no seu conteúdo original. Mas a Treyarch ter de pegar neles e meter ali o selo e estilo Black Ops em cima de outra identidade deu este resultado estranho.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.15 14.25.12.96 - Call Of Duty Black Ops Cold War

O Lançamento de Black Ops Cold War

Não vou estar com rodeios. Black Ops Cold War teve um lançamento bastante fraco. E a pandemia não serve para justificar tudo. Em termos de conteúdo para o modo multiplayer é por demais evidente a falta de conteúdo no lançamento. E a comparação que faço é directamente entre Black Ops Cold War e Black Ops 4. Acho que o Call Of Duty Modern Warfare ser aqui colocado como comparação não é correcto. Pelo menos para mim, Player1Paulo, não é uma comparação justa. Vamos a detalhes, pois eles são importantes.

Black Ops 4 foi lançado com modo Zombies, Blackout (Battle Royale) e Multiplayer. Não teve campanha. Apesar de posteriormente ter recebido umas missões para cada Operador com alguma história individual para enquadrar as coisas naquele universo. Quanto ao número de mapas no modo multiplayer, já não me lembro do número deles à data de lançamento. Mas tenho uma vaga ideia de que havia mais diversidade. Independentemente de serem novos mapas ou reaproveitamento de mapas de anteriores jogos Black Ops, com poucas ou nenhumas alterações.

O Black Ops Cold War segue – e aqui posso fazer a comparação – aquilo que foi testado, num patamar avançado no Call Of Duty Modern Warfare. Que foi a inclusão, aquando do lançamento, de um pequeno número de mapas. Pessoalmente acho que isto é o resultado do tempo que é necessário para criar todo o ecossistema de conteúdo para manter o jogo vivo durante 12 meses com a adição regular mais e mais.

O jogo é lançado de forma minimalista. Poucos mapas, poucas armas e pouco conteúdo adicional. Em parte porque não está completamente finalizado e testado para uma performance suave e com uma boa correção de bugs. Adicionalmente também para não fazer com que novos jogadores se sintam perdidos no meio de tanto. Porque quem já é jogador regular de Call Of Duty sabe os cantos à casa no que diz respeito a várias coisas. Sabe onde as encontrar e como tirar partido delas sem se perder ou sentir perdido. Um novo jogador pode perder-se no meio de um mundo completamente novo.

Por isso, o lançamento de Call Of Duty Black Ops Cold War, saiu do forno como que em forma de esqueleto. A carne era muito pouca ou nenhuma. Se isso me decepcionou? Sim, um bocado. Mas não me espantou. Quando joguei a Beta de Black Ops Cold War, notei que estávamos perante o Call Of Duty com o orçamento de produção mais baixo de sempre para ser concretizado. Menos conteúdo aquando do lançamento e igualmente o que mais denotou que menos tempo efectivo teve para ser trabalhado pela Treyarch.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.19 09.17.50.36 - Call Of Duty Black Ops Cold War

A Mecânica De Jogo

O Black Ops Cold War tem uma mecânica de jogo agradável. Capturou o meu interesse de um modo que o Modern Warfare não o fez. O Modern Warfare quis fazer várias experiências. Umas correram melhores do que outras. Mantenho que ao comprar o Call Of Duty Modern Warfare tive os €60 mais mal gastos por mim num jogo. Tentei dar várias chances, mas efectivamente não era para mim. Acontece. E como não era para mim regressei ao Black Ops 4. O Black Ops Cold War tem uma mecânica de jogo muito diferente de Black Ops 4.

Muito? Sim, a começar pela velocidade. Estamos perante um Black Ops rápido, mas longe das velocidades doidas que eram praticadas num Black Ops III e Black Ops 4. Nada contra. São gostos. Aqui estamos perante um reaproveitar do melhor que se tinha no Black Ops e Black Ops II. E pelo meio piscar o olho à correção de erro que foi o experimentalismo do mini-mapa no Modern Warfare e também de criar um modelo de partida que premiava a passividade e a cobardia do jogador. Não há portas nos edifícos. Ou melhor, há mas não abrem nem fecham.

O Black Ops Cold War reduziu o time-to-kill em relação ao Black Ops 4. Acabou com as habilidades específicas de cada Operador. No Black Ops Cold War os Operadores são meramente cosméticos. O que se faz e como se faz fica a cargo do estilo de jogo individual de cada jogador. No Black Ops Cold War mantém-se algo que ficou muito presente no Modern Warfare, cada lobby é extremamente equilibrado. Parece que a finalidade é a de todos os jogadores presentes se anularem para ninguém sobressair.

Isto tem o efeito negativo de tornar cada partida bastante repetitiva porque não dá para criar grande ímpeto. Se bem que na época de Natal, onde estou a terminar de escrever esta análise, parece que isso foi atenuado. Veremos se em definitivo ou é apenas temporariamente. Obter as Killstreaks mais poderosas tornou-se muito complicado, enquanto que as mais básicas de que têm uma orientação mais de suporte são de acesso fácil ao mais básico dos jogadores. O jogo esforça-se por querer ser amigo de Deus e do Diabo ao mesmo tempo.

E isso não dá. Percebo que queira trazer mais jogadores. Percebo que queira manter os veteranos. Mas estas mudanças para equilibrar a balança podem ter o efeito contrário ao desejado. O manuseamento das armas está uns furos abaixo daquilo que o Modern Warfare fez. Algumas armas são inconsistentes. E isto porque se forem utilizadas nas consolas é o mesmo que estar a fazer um passeio no parque com elas. Não existe qualquer adversidade. Para os jogadores de PC há que perceber quais delas são fáceis de controlar e com que melhoramentos.

Os jogadores de consola no Black Ops Cold War podem andar a passear livremente com uma MP5, uma M16, uma MAC-10, entre outras, e causar danos consideráveis. Skill, não. Nada disso. é aim-assist. Os perks são diversificados, mas alguns pecam por fazer imensas coisas. Não há uma separação maior entre o que cada perk faz. Por exemplo o perk Gung-Ho faz muitas coisas. O que torna a sua escolha ou não escolha uma batalha mental para quem quer estar a descobrir o seu estilo de jogo mais eficaz. E não creio que isso vá ser alterado no tempo de vida útil do jogo. E não sei se serão lançados mais perks. Podem ter sido desenvolvidos mais. Mas isso não significa que tenham como finalidade serem colocados no activo.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.15 14.33.17.79 - Call Of Duty Black Ops Cold War

Trailer Oficial Season One

Aqui fica o trailer oficial para a Temporada Um do Call Of Duty Black Ops Cold War.

Battle Pass Season 1

O Call Of Duty Black Ops Cold War oferece – a quem o comprar obviamente – 100 níveis de conteúdo adicional. Alguns deles são gratuitos. Por isso mesmo quem não comprar o Battle Pass da Season 1, ou das futuras, terá sempre alguns níveis gratuitos durante a progressão para ter acesso às novas armas e itens cosméticos. Na Season 1 de Black Ops Cold War as armas a desbloquear, e são grátis, são a SMG MAC-10 e a AR Groza. Eu, Player1Paulo, ainda toquei pouco nelas. Apesar de no preciso momento em que escrevo estas linhas já ir no nível 89 do Battle Pass.

O Call Of Duty Black Ops Cold War tem ainda muito mais material cosmético para ser comprado na loja. E já existe alguma variedade considerável. Haja dinheiro para estoiras por lá e aproveitar os 12 meses de vida que esse investimento vai ter. Façam lá bem as contas. São os Battle Pass de cada temporada, deverão ser 6 temporadas, mais os extras para cada pacote na loja. E alguns pacotes custam muito mais do que o Battle Pass.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.16 12.15.13.10 - Call Of Duty Black Ops Cold War

Conclusão Sobre O Call Of Duty Black Ops Cold War

Call Of Duty Black Ops Cold War para mim, Player1Paulo, é um jogo que não quer estar ao mesmo nível daquilo que Modern Warfare foi, pelo menos do ponto meramente técnico e tecnológico. E não é só o não querer estar. Não é para estar. E tal nunca vai acontecer num futuro próximo. A fidelidade visual, e principal inovação para os Call Of Duty, estará sempre na primeira linha daquilo que a Infinity Ward faz. Se isso é bom ou não é outra conversa para ser tida no momento próprio.

Para a Treyarch resta fazer o que lhe compete. Lançar um jogo minimamente sólido e que vá de encontro com aquilo que a comunidade não gostou no lançamento anterior de Call Of Duty para acalmar as hostes dos fãs mais barulhentos. E eles são mais que muitos e criam um ruído capaz de criar destabilização no seio das equipas de produção. Se acho o Black Ops Cold War melhor do que o Modern Warfare?

Tecnicamente, para mim, Player1Paulo, o Modern Warfare está vários furos acima do que o Black Ops Cold War é. De um ponto de vista pessoal, no campo da mecânica de jogo, modelo de jogo, prefiro muito mais o Black Ops Cold War. Neste o meu divertimento é muito maior. Sei que não é para todos. Por isso separei o factor subjectivo, que é o divertimento, do factor técnico. São coisas completamente distintas. Recomendo a compra de Black Ops Cold War? Se gostaram daquilo que jogaram no Black Ops e Black Ops II, então este jogo é uma boa opção.

Call of Duty Black Ops Cold War Screenshot 2020.12.28 12.18.07.54 - Call Of Duty Black Ops Cold War

Call Of Duty Black Ops Cold War

Se chegaram até aqui é sinal que gostaram, ou não, do muito que escrevi. Decididamente eu não estou para escrever pouco ou para consumo rápido. Aqui é para dizer tudo com contexto e substância. Se gostaram podem partilhar este artigo por todo o lado, através das redes sociais, e comentar em baixo. Tenho todo o gosto em ler e responder. Podem sugerir conteúdo de videojogos e não só para eu dissertar em futuros textos.

Share via